Que amor é esse que entra em contradição?

eu te amo mas

Anúncios

Aquela camisa fica melhor no seu corpo que no meu

Estava escolhendo uma camisa pra sair e encontrei aquela que você amava. Lembrei então de você vestindo-a, deixando as pernas e a tatuagem na coxa direita à mostra, e rebolando seu quadril por toda casa. Confesso que mesmo larga no seu corpo franzino, mesmo caindo por um ombro e por deixar metade do seu corpo nu, ela fica melhor em você do que em mim. E olhando pro meu guarda-roupa, percebo que algumas camisas são caras, outras têm valor sentimental, mas essa me faz lembrar você, de todas elas é a que tem o maior valor.

Ela é tímida

Ela é tímida. Odeia ser vista. Mas como eu gosto de observá-la. Sempre gostei de garotas assim, dessas que se escondem, que não querem chamar atenção e fazem um esforço tremendo pra isso. É uma pena! Elas são as que mais deveriam ser enxergadas. Pobres tolos e ingênuos mortais são aqueles que almejam as que mais clamam por atenção, dessas que acreditam fielmente que precisam ser vistas para serem notadas, elas fazem um esforço tremendo para aparecer, mas não têm nada a oferecer. Eu prefiro as que se escondem. Aliás, os tesouros mais valiosos são os mais escondidos.

Uma playlist do Cazuza em modo aleatório

Calma e serena, esse era o significado do nome dela. Claramente um erro de cálculo dos pais, não tem como uma ascendente em Áries ser assim. Ela estava mais pra uma playlist do Cazuza em modo aleatório. Uma confusão de emoções e sentimentos. Uma turbulência! E foi isso que perguntei, com todas as interrogações que eu tinha direito: “Que turbulência é você???”. Enfim, serena e calma, ela respondeu: “Um voo tranquilo nunca fez ninguém repensar sua vida”.

Inquieta

A música tocava e ela se agitava. O copo na mão balançava junto com o corpo. Deu mais um gole na cerveja. Sentava. Levantava. Gesticulava. Cantava. Levava o copo à boca com delicadeza. Tudo em perfeita sintonia. Cheia de sorrisos fáceis, que a cada vez que se abria hipnotizava mais um. Pediu ao garçom uma dose de Uísque. Talvez pra combinar com a estampa Jack Daniels da camisa que vestia. Usava um short jeans curto que terminava onde começava uma tatuagem. Uma linda tatuagem em volta da coxa esquerda que atraia atenção de todos os olhares. Instigante. Chamativa. Provocante. Deu um gole no uísque. Não tinha medo de se mostrar, nem se interessava pelo que os outros falavam ou pensavam a seu respeito. Fazia o que dava na telha. Fazia o que tinha vontade. Como eu a desejava. Dentre todas as mulheres das quais eu desconhecia o nome, aquele era a que me interessava.

Se apaixonar depois de tanto tempo é como dirigir numa mão inversa

Nós evitamos tanto não se envolver e não se apegar por causa de experiências antigas, que quando isso acontece, depois de muito tempo evitando, não sabemos como agir. É como se fossemos um motorista num local estranho sem saber pra onde ir e qual via pegar. O GPS está desatualizado. Somos um motorista primeira viagem indo dirigir em Londres. Sabemos dirigir, mas não dessa forma, não numa mão inversa. Temos que aprender novamente. E o mesmo acontece com o amor.

Acabou

Enfim, depois de tantos pontos colocados de forma errada colocamos um ponto final. Sem reticência, sem vírgulas. Acabou! Acabou de uma maneira diferentes das que tantas vezes ensaiamos quando terminamos sem terminar e voltamos. Terminamos sem dizer muito, até falamos algumas palavras, mas o que foi dito para que concluíssemos o final foi o silêncio constrangedor de palavras não pronunciadas. Acabou! Dessa vez sem volta e sem continuação. Apenas acabou.

Quem ama implica

Eu poderia defini-la como uma pessoa contraditória. Quando ela disser “Ok”, esqueça, está longe de estar Ok. Quando ela diz não é nada, certamente foi algo. E quando ela usar aquele emoji do Jóia numa mensagem é melhor escolher bem as suas próximas palavras. Quando ela disser que não quer conversar, ela quer, ela só não quer falar, mas quer ouvir, e quer ouvir da sua voz tudo que ela quer escutar, não o que você tem a dizer. Ela costuma dizer: “quem ama implica”, isso a resume bem. Ela vai implicar com seus gostos, mas é provável que ela esteja agora ouvindo aquela música ou a banda que ela disse que não gostava. E quando ela usar “idiota” no final de alguma frase, não se assuste, ela quis dizer que te ama, mas “eu te amo” virou uma expressão tão convencional que ela criou sua própria forma.